terça-feira, 27 de julho de 2010

Um dia me entregaram um coração e pediram pra que eu cuidasse bem dele. Eu aceitei acreditando que o meu seria muito bem cuidado nessa troca que chamávamos de troca infinita. Eu fico pensando... Nós sonhamos com o pra sempre e lutamos por ele com todas as nossas forças, algumas vezes. Mas, nesse tempo, muita coisa pode acontecer... É difícil. Como podemos saber se estamos ainda dando o nosso melhor? Se realmente estamos encaminhando as coisas para seus felizes para sempre? Eu quase nunca sei quando estou certa, porque na verdade, eu estou sempre me sentindo errada. Em um tempo chamado sempre, temos que estar dispostos a tudo. As coisas ruins, a coisas boas. Porque em grandes prazos de tempo, muita coisa pode se destruir e se construir. E nem é verdade que se precisa de tanto tempo para isso. Mas talvez, precise de bastante tempo para corrigi-las. Eu acredito que sejam melhor as coisas ruins em curto prazo de tempo e toda uma vida para termos oportunidade de corrigi-las. Mas melhor mesmo, seria nunca termos que passar por maus momentos. Eu espero que eu tenha a sorte, ou a capacidade - não sei o que define melhor - para cuidar desse coração, que eu acredito que seja meu para sempre. É só isso o que eu desejo, apenas. Eu não queria fracassar. Não dessa vez.

Um comentário:

  1. Você deve fazer ideia do quanto eu a amo. O que voce não deve fazer muita ideia e que eu quero que voce saiba, é que nunca, jamais, em todos esses meses, você fracassou comigo ou com nossa missão. No meu coração, muito embora algumas arterias momentaneamente se entompem, sinto ainda a mesma fluidez de felicidade a correr e bombear por ele. É isso, quero que saiba que permanece perfeita no quesito de transgredir nossos corações pela eternidade, dentro de suas devidas caixinhas.

    ResponderExcluir